Aumento superior a 600% no consumo anual de combustíveis alternativos nas cimenteiras


(04-12-2018)

O estudo "13 anos de Coprocessamento em Portugal” da AVE - Gestão Ambiental e Valorização Energética apresentado no Centro Cultural do Belém dia 3 de Dezembro concluiu que o uso anual de combustíveis alternativos por parte das cimenteiras aumentou desde 2005, de 42 mil toneladas para cerca de 300 mil toneladas. Esta valorização energética de materiais que já não podem ser reciclados traduziu-se no último ano numa contribuição económica de 4 milhões de euros em Valor Acrescentado Bruto e 110 postos de trabalho.

De acordo com a AVE, o coprocessamento de resíduos permite aumentar o ciclo de vida dos resíduos assim como a redução de custos e do impacto ambiental da actividade das cimenteiras. Em termos de quantidades, desde 2005 foi feita a valorização material e energética de mais de 7,5 milhões de toneladas de combustíveis alternativos e matérias primas secundárias.

De acordo com Luís Realista, Administrador da AVE – Gestão Ambiental e Valorização Energética, “o coprocessamento tem sido reconhecido com uma estratégia vencedora para todas as partes, já que oferece uma solução competitiva para o setor do cimento, tanto em termos ambientais e económicos, mas acima de tudo sociais. Se considerarmos que este processo já permitiu evitar CO2 equivalente a substituir 86 mil carros a gasóleo por carros elétricos, é possível ter uma ideia mais concreta do impacto do coprocessamento na sociedade portuguesa.”


Fonte: hks strategies

Palavras-Chave: Combustível derivado de resíduos,

Siga-nos no facebook.


Notícias Relacionadas: